Apostas Giro d'Italia 2018: Chris Froome terá de puxar dos galões para atingir marco histórico

Chris Froome volta a ser o alvo a abater da concorrência...
Ver mercado

Numa temporada que se avizinha turbulenta para Chris Froome, o ciclista da Sky 'ataca' a vitória na Volta a Itália para completar a Coroa Tripla das três grandes voltas...

"A 'nuvem do doping' que o envolveu desde o final da Vuelta pode jogar com o seu psicológico no Giro, para além do percurso não o favorecer propriamente tendo em conta que não terá tanta extensão de contra-relógio quanto seria desejável para si."

Após ter sido apanhado nas 'malhas do doping' durante a Volta a Espanha 2017, Chris Froome continua à espera de uma eventual sentença que o suspenda da competição, mas enquanto tal não sucede o ciclista britânico vai competindo e irá tentar igualar marcos históricos já obtidos por Alberto Contador, Vincenzo Nibali, Bernard Hinualt ou Eddy Merckx ao vencer as três grandes voltas.

A Volta a Itália inicia-se já esta Sexta-Feira...

O percurso


Numa edição que começa pela primeira vez na história em solo israelita, os principais problemas para os ciclistas só chegarão quando entrarem em Itália, mais propriamente nas regiões montanhosas onde terão imensas dificuldades para ultrapassar.

Mas Chris Froome não correrá sozinho e a concorrência é assinalável. Desde logo, o vencedor da última edição Tom Dumoulin procura confirmar as boas indicações deixadas no ano anterior, e trepadores de excelência como Thibaut Pinot, Fabio Aru ou Miguel Angel Lopez também se apresentam como ameaças ao sucesso do ciclista da Sky.

Por outro lado, esta edição tende a favorecer os especialistas na montanha uma vez que teremos poucos quilómetros de contra-relógio ao longo da prova. Isto irá prejudicar especialistas em 'cronos' como Chris Froome e Tom Dumoulin e beneficiar aqueles que sofrem mais nesse tipo de modalidade.

E com oito etapas sinalizadas como alta montanha torna-se evidente que esta será uma edição muito interessante onde não se podem excluir os trepadores - que poderão limitar as perdas nos contra-relógios - mantendo-se na discussão da vitória provavelmente até final.

Os Favoritos


Chris Froome - [3.30]

Depois de uma 'quase' perfeita temporada de 2017 onde venceu o Tour e a Vuelta, o ciclista britânico aponta baterias ao triunfo nas três grandes voltas com a particularidade de o poder fazer consecutivamente, ou seja, vencer três grandes voltas num espaço inferior a um ano.

Ainda assim, a 'nuvem do doping' que o envolveu desde o final da Vuelta pode jogar com o seu psicológico no Giro, para além do percurso não o favorecer propriamente tendo em conta que não terá tanta extensão de contra-relógio quanto seria desejável para si.

Para além disso, não podemos ignorar que ele chega à Volta a Itália ainda longe da sua melhor forma, embora ele já tenha provado anteriormente que é capaz de atingir a sua melhor forma durante uma competição deste nível. De qualquer forma, com o valor disponível para a sua vitória, não me sinto tentado a apostar nele.

Tom Dumoulin - [3.65]

Depois de vencer o Giro em 2017 muitos estranharam que o ciclista holandês não disputasse mais nenhuma volta até final da época, e a sua preparação para o Giro 2018 passou algo despercebida com pouca competição nas pernas e resultados modestos.

De qualquer forma, aquilo que demonstrou na última edição foi realmente espantoso para alguém que nunca tinha aparentado ter reais condições de brilhar neste tipo de provas.

Tal como Froome, a sua cotação para vencer esta prova não me parece suficientemente tentadora nesta fase, especialmente tendo em conta que é difícil aferir o seu actual momento de forma à entrada para o Giro.

Thibaut Pinot - [8.40]

O ciclista francês cota-se como um dos 'eternos pretendentes' a destronar homens como Chris Froome, Vincenzo Nibali ou mais recentemente Tom Dumoulin. Ele já fez bons resultados nas três grandes voltas mas nunca conseguiu vencer, dando a sensação de lhe faltar sempre um bocadinho.

Ele chega ao Giro em excelente forma após ter batido forte oposição no Tour dos Alpes, e também tende a beneficiar com a menor extensão de contra-relógio desta edição. Com uma cotação de bem mais do dobro dos dois principais candidatos, ele poderá ser uma opção de aposta com um olhar no Cash Out.

Miguel Angel Lopez - [7.00]

Miguel Angel Lopez é mais um nome seguro da nova geração de trepadores colombianos que continua a rechear o pelotão internacional de qualidade. Lopez fez a sua primeira grande demonstração na Vuelta em 2017 terminando na 8ª posição da Geral Individual.

E os resultados que tem vindo a obter já em 2018 demonstram que está preparado para melhorar esse registo já no Giro, contando para isso com uma forte equipa da Astana montada em seu redor. Pello Bilbao, Jan Hirt, Tanel Kangert ou Luis Leon Sanchez são autênticos escudeiros de luxo.

Ele pode ter uma palavra a dizer se não perder 2:30 para Froome no contra-relógio tal como sucedeu na Vuelta, mas a minha desconfiança em relação à sua qualidade nesta modalidade levam-me a evitar apostar nele.

Fabio Aru - [13.00]

Fabio Aru já venceu a Volta a Espanha, foi segundo na Volta a Itália e 5º no Tour de France, portanto é sempre um potencial vencedor de uma grande volta.

Ainda assim, os sinais que tem deixado neste início de 2018 não são os melhores ficando sempre um pouco em dificuldades na montanha perante concorrência de elite. Se não for capaz de subir um pouco o nível durante o Giro antevejo que sinta grandes dificuldades para discutir sequer um top-5 na competição.

A sua cotação é atractiva mas nesta fase não sinto confiança num ciclista que até aprecio particularmente.

Os 'Outsiders'


Depois dos cinco acima apresentados surge um extenso leque de pretendentes ao ceptro que correm um pouco por fora. A Mitchelton-Scott conta com Esteban Chaves [34.00] e Simon Yates [25.00] escudados por um excelente conjuntos de ciclistas, e embora preveja que sejam grandes animadores da corrida dificilmente poderão discutir a vitória final.

Domenico Pozzovivo [29.00] será como habitualmente uma 'carraça' na montanha, no entanto não o vejo em condições de deixar a concorrência para trás em algum momento.

Rohan Dennis [22.00] tenderá a ganhar muito tempo à concorrência nos contra-relógios mas parece continuar longe de aguentar a alta montanha junto dos mais fortes.

Potenciais Top-10


Tim Wellens terá a sua primeira aventura na luta pela Geral de uma grande volta, e se confirmar as indicações dadas recentemente terá hipóteses de fazer um top-10 na sua estreia a [3.20] no Sportsbook.

Giulio Ciccone é um jovem ciclista da casa que tem brilhado nas ante-câmaras do Giro, e esse desempenho pode leva-lo a olhar com algum interesse para a Geral Individual - ao invés da Camisola da Montanha - e se assim for poderá ter valor a tentadores [6.00] para se imiscuir nos dez primeiros.


Apostas Recomendadas:
Thibaut Pinot para vencer o Giro 2018 @ [8.40] para Cash Out
Tim Wellens para terminar no Top-10 @ [3.20] no Sportsbook
Giulio Ciccone para terminar no Top-10 @ [6.00] no Sportsbook

Ver mercado