Brasil Eleições Presidenciais 2018 - Projecção para o Segundo Turno

O triunfo de Bolsonaro é cada vez mais uma forte possibilidade...
Ver mercado

Primeiramente falando sobre o primeiro turno. Jair Bolsonaro, candidato do PSL liderou as urnas e se manteve como o candidato mais votado, com mais de 46% dos votos válidos, não vencendo ainda no primeiro turno por questão de poucos pontos percentuais. O segundo candidato mais votado foi o candidato do PT, Haddad, com mais de 29% dos votos válidos.

"Falando diretamente do que aconteceu no primeiro turno, o cenário que projetamos acabou se concretizando em sua maior parte, colocando Bolsonaro na frente de todos no primeiro turno e indo para um segundo turno como franco favorito a [1.10]."

A diferença entre o antibolsonarismo e o antipetismo fica evidente, sendo o antipetismo um movimento muito mais forte no Brasil nos dias de hoje. Enquanto as principais mídias do mundo todo tomam posição contra Bolsonaro, a popularidade do candidato cresce cada vez mais no território brasileiro e nossas primeiras pesquisas para o segundo turno já apontam uma vantagem esmagadora de Jair Bolsonaro para vencer nas urnas no segundo turno.

Bolsonaro [1.10] hoje dispõe de 58% dos votos válidos, contra 42% de Haddad [12.00], enquanto sem a questão dos votos válidos, teríamos mais de 49% para Bolsonaro contra mais de 36% de Haddad, com cerca de 14% de votos nulos, brancos e indecisos. A diferença é gritante em pontos percentuais, o que já abre um favoritismo esmagador para Bolsonaro assumir o posto mais alto do Brasil.

Esses números refletem a insatisfação de um povo que foi absurdamente roubado nos últimos anos, descaradamente por seus líderes mais influentes. A esquerda brasileira perde força envolvida até a cabeça em vários escândalos de corrupção. Já O Brasil não tinha uma ascendência de partidos de direita até essa eleição, que agora foi protagonizada pela nova direita do país.


Eleição também marcada pelo número absurdo e chocante de notícias falsas, sendo uma eleição movida a rumores, medo, especulação e uma polarização preocupante, onde o povo percebe uma disputa entre extremos, com um assombro recorrente de ameaças a democracia. Para qualquer um dos lados, o outro representa o MAL, o que precisa ser expurgado, representa uma ameaça direta para o país e sua frágil e recente democracia. É assustador perceber que apenas tomamos nota de fatos concretos sem colocar nenhuma opinião, e perceber ao mesmo tempo, o quanto sensacionalista é essa eleição.

Saindo do campo dos fatos e entrando numa visão opinativa, temos como entender que, a eleição brasileira é um reflexo da não conformidade com o sistema de gerenciamento atual e passado do país, além de existir para fortalecer esses movimentos, um apelo desenfreado a manipulação de massas, por meio da mídia não controlável, a internet.

A situação no Brasil é um prólogo do que nos aguarda mais a frente na nossa história, pois imaginem esse tipo de controle sobre massas sendo usado para pessoas influentes e mal intencionadas, como tivemos na história, caso de Hitler, Stalin entre outros tantos opressores da nossa história recente, imagine um poder como o de agora, do controle de massas na internet, nas mãos de monstros como os tantos que tivemos na nossa história. É um alerta que o bom senso pode ser perdido, que a insanidade e o caos, assim como a inércia, para serem rompidos apenas é preciso um pequeno empurrãozinho.

A internet é um avanço tecnológico esplêndido, e a liberdade de expressão não deve ser ameaçada de nenhuma forma, mas notícias falsas devem ser punidas, criminalizadas para evitar essa manipulação acirrada por meio do medo. Entretanto acredito que hoje a eleição brasileira tomaria o mesmo rumo sem toda essa ascensão de fakenews, pois o país estando em crise econômica, tendo uma taxa absurda de desemprego e entrando numa zona perigosa de retração, já era esperado que uma oposição ao partida da situação que é o PT, seria forte o bastante para derrubar essa bandeira que parecia inabalável até então.

Sem me aprofundar muito em uma opinião política entre os candidatos que estão nessa disputa, deixo claro apenas um parecer de opinião própria, o Brasil merece uma esquerda e uma direita mais adequada, de mais qualidade. Hoje temos alguns frutos promissores na política, mas ainda são apenas brotos que talvez não vinguem.

Hoje o brasileiro até mais instruído, não sabe a diferença entre esquerda e direita, confunde socialismo e comunismo, não conhece outras vertentes da esquerda e acredita que a esquerda toda seja uma só coisa, o mal, não podendo vir nada de bom do que esteja inclinado mais a esquerda nessa reta ultrapassada originada no passado revolucionário francês. É absurda essa falta de compreensão, falta de entendimento sobre sua própria economia. Mas como condenar um brasileiro que precisa trabalhar quase como um escravo para pôr o pão na mesa dos filhos, em relação a sua instrução e compreensão dos sistemas de governabilidade existentes?

Para aqueles que aceitam uma opinião, apenas digo que nem muito a direita e nem muito fundo para a esquerda. Diria que essa reta é ultrapassada, particularidades devem ser tomadas de cada tipo de ideologia, pois é preciso olhar para a classe mais pobre sempre, pois todos fazemos parte dessa classe, já que o capitalismo selvagem é eugênico e também mata, mas atentem, a esquerda existe muito antes do marxismo, não confundam o marxismo com outras vertentes de esquerda, em uma opinião pessoal e direta, acredito na esquerda, mas não no socialismo-marxista.

Falando diretamente do que aconteceu no primeiro turno, o cenário que projetamos acabou se concretizando em sua maior parte, colocando Bolsonaro na frente de todos no primeiro turno e indo para um segundo turno como franco favorito. A aposta feita e recomendada se manteve sólida e agora já podemos encerrar essa aposta com um grande e esmagador lucro. A única coisa que não se concretizou, foi a aposta especulativa para Ciro Gomes chegar em um possível segundo turno, o que daria um lucro maior ainda, porém como era uma aposta com stake baixa, não fez diferença ao final e uma aposta mais pesada em Bolsonaro nos deu um caminho de lucratividade alta, em um segundo turno onde o candidato do PSL assume um extremo favoritismo e corre para junto de seus fiéis seguidores para se tornar o novo presidente do Brasil.


Não existem apostas que possamos fazer nessa altura, apenas compreender que essa vantagem de Bolsonaro só deve aumentar. A única chance que o PT teria de se manter no poder, seria em caso de algo drástico acontecer nessa altura, ou Haddad desistir de sua corrida eleitoral, fazer acordo com o PDT, e como previsto na lei, dando espaço para Ciro, que ficou em terceiro, assumir a briga nas urnas contra Bolsonaro, outro cenário visto como drástico e impossível de ocorrer nessa altura. E mesmo ocorrendo, Ciro pegaria um páreo duríssimo pela frente, onde Bolsonaro também abriria com vantagem.

Falando das estratégias do segundo turno. A campanha petista se concentrou em mudar o discurso, mudar as cores, trocar os rótulos. Precisa se tornar mais popular do que é, precisa arrancar votos praticamente garantidos para Bolsonaro e ainda levar para as urnas e para o seu lado, uma multidão de pessoas que não votaram no primeiro turno ou que anularam os votos de alguma forma.

Chances realmente remotas, pois os números de votos brancos e nulos, assim como ausências nas urnas tem uma forte tendência de se manter muito próximo dos números do primeiro turno, tendo grande possibilidade de aumentar.


A projeção de futuro para o PT na luta presidencial não é nada boa e tende a piorar. Bolsonaro deve disparar na liderança e teremos um parecer mais sólido sobre o que deve acontecer, após os debates ocorrerem e às últimas pesquisas serem feitas, até lá, esse cenário de derrota iminente do partido dos trabalhadores e toda a esquerda no Brasil é sólido, imutável e até onde se consegue mensurar, intransponível.

Ver mercado