Antevisão Mundial 2018: Tour de despedida pode acabar em glória para a Espanha

Andrés Iniesta fará a sua despedida dos grandes palcos mundiais...
Ver mercado

Jack Lang vira as suas atenções para a velha guarda da 'La Furia Roja', prosseguindo a sua série de análise às equipas mais fortes e favoritas dos mercados na Rússia 2018...

"Lopetegui deve poder andar à vontade na rua da sua cidade sem ser incomodado, mas o seu registo desde que tomou o comando é impressionante – 13 vitórias e zero derrotas em 18 jogos."

Sabem quem é que se divertiu à grande na meia-final de pesadelo do Mundial de 2014? A Alemanha, é claro, mas não foi a única. Essa noite em Belo Horizonte também deu gozo à Espanha. Até esse momento, a selecção estava destinada ao título de fracasso do torneio.

Esmagada pela Holanda no jogo inicial do Grupo B, a campeã em título não conseguiu passar da fase de grupos - um fracasso surpreendente, tendo em conta a qualidade da equipa que Vicente Del Bosque tinha à disposição. Apesar de ter começado com a Espanha, o olhar do mundo virou-se para o anfitrião, cuja implosão no Mineirão será para sempre a imagem do torneio. Obrigado Brasil. A sério: gracias.

Quatro anos mais tarde, e com uma campanha decepcionante no Euro 2016, La Furia Roja chega à Rússia como terceira favorita com [7.40]. Voltará a Espanha a reinar, ou voltará a Espanha a sofrer?


Rodeo final para a velha guarda


A selecção de Julen Lopetegui tem um aspecto familiar para quem tiver acompanhado o futebol internacional na última década. Seis dos jogadores que derrotaram a selecção holandesa na África do Sul ainda jogam este ano, o que dá à equipa um aspecto agradavelmente mais velho. Pensem neles como os Rolling Stones do futebol; não são novos, mas sabem brilhar num festival de Verão.

Esta campanha da Espanha é inevitavelmente uma despedida: Sergio Busquets (29) ainda deve conseguir mais um Mundial, mas este é sem dúvida o último tango para Andrés Iniesta e Pepe Reina, e provavelmente para David Silva, Sergio Ramos (um homem que pode ensinar umas coisas sobre mau comportamento a Keith Richards), e Gerard Piqué. Devem todos ser titulares menos Reina, e muito vai depender da determinação da velha guarda para que a equipa acabe em grande.


Idade antes da beleza


Não deixa de ser curioso que nesta selecção espanhola, mesmo as caras novas não são realmente jovens. Lucas Vázquez e Rodrigo Moreno são relativamente novos a este nível, mas com 26 e 27 anos já não são miúdos. Com Iago Aspas de 30 anos, a outra carta fora do baralho, e Nacho Monreal (32), Lopetegui começa a parecer o santo padroeiro dos late-developers.

Mas também há imensos jogadores muito bons que entram no torneio no pico da forma, pelo menos em termos de Mundiais. David De Gea, César Azpilicueta, Nacho, Jordi Alba, Dani Carvajal, Koke, Busquets, Thiago, Isco e Diego Costa estão todos na flor da idade, entre os 26-30 - experientes mas com vontade de copiar o sucesso da turma de 2010. De Gea e Isco são particularmente importantes para as esperanças espanholas.

Só há quatro jogadores abaixo dessa faixa etária, e dois deles - o guarda-redes Kepa Arrizabalaga e o lateral direiro Álvaro Odriozola - vão ser espectadores. A juventude vai ser representada por Saúl Ñíguez e Marco Asensio, que jogam o primeiro torneio internacional de sénior. Se conseguirem manter a forma que tiveram no Europeu de Sub-21 no Verão passado, vão causar um impacto importante.


Presságios a favor de Lopetegui


Lopetegui deve poder andar à vontade na rua da sua cidade sem ser incomodado, é relativamente inexperiente a este nível; é tentador questionar se ele tem autoridade para controlar os egos no balneário se as coisas derem para o torto. Mas a federação tem fé nele - prolongaram-lhe recentemente o contrato - e o seu registo desde que tomou o comando é impressionante - 13 vitórias e zero derrotas em 18 jogos.

A última dessas vitórias é particularmente pertinente. A Espanha esmagou a Argentina em Março com uma vitória por 6-1 e, duma maneira geral, parecia estar três velocidades acima do adversário. Foi um jogo de meter medo aos rivais do Grupo B, e apesar da campanha de 2010 ter começado devagar antes de atingir o clímax, a equipa deste ano - repleta de jogadores que estiveram em excelente forma nos seus clubes - parece destinada a começar em força.


APOSTA RECOMENDADA:
Espanha para chegar às Meias-Finais @ [2.28]

Ver mercado