Apostas Final Euro Sub-21: Espanha "forrada" de estrelas prepara-se para reinar

As adeptas espanholas parecem ter razões para sorrir com "La Rojita"

O Campeonato da Europa Sub-21 chega ao fim esta Sexta-Feira à noite com uma interessante final em Cracóvia entre Alemanha e Espanha. Mark O'Haire prevê o derradeiro encontro do torneio entre as duas melhores equipas.

"A Espanha chega numa série de 13 partidas sem derrotas 10V-3E-0D e deve ter condições para alcançar o recorde de cinco títulos europeus no escalão de sub-21."

Espanha para Vencer @ 2.001/1

Alemanha Sub-21 v Espanha Sub-21
Sexta-Feira, às 19:45 (Portugal) / 15:45 (Brasil)
Em Directo na SportTV


Os favoritos pré-torneio Espanha têm justificado o estatuto de principal candidato - neste momento a 2.001/1 - para vencer o seu terceiro título da categoria em quatro edições após uma bela campanha até à Final desta Sexta-Feira.

La Rojita assegurou o seu lugar na final graças a um triunfo por 3-1 frente a uma Itália reduzida a dez elementos na Terça à noite; A jovem estrela do Atlético de Madrid, Saul Niguez apontou um sensacional hat-trick na segunda metade do desafio para oferecer à equipa de Albert Celades a quarta vitória em outros tantos jogos no torneio que decorre na Polónia.

A Espanha iniciou o torneio como equipa a bater - apenas a conquista da prova os fará bem-vindos de volta ao seu país já que eram claramente considerados os mais fortes, jogador por jogador. La Rojita certamente não tem estado a desiludir e a sua bela performance na fase de grupos merece imenso crédito.

Os Ibéricos garantiram um lugar na semifinal com três vitórias em três jogos, apontando nove golos e consentindo apenas um - e que golo, de Bruma frente à principal ameaça do Grupo B, Portugal. A Espanha até se pôde dar ao luxo de poupar o onze inicial no último jogo do grupo frente à Sérvia, quando já tinha a qualificação garantida.

Sete elementos da equipa já têm experiência sénior e a profundidade de talento do futebol espanhol é tão absurda que elementos como Inaki Williams, Denis Suarez e Mikel Oyarzabal estão todos longe de ter um lugar garantido no onze inicial.

O meio-campo espanhol é o sector mais concorrido de La Rojita com Saul, Dani Ceballos e Marcos Llorente a orquestrarem jogo para os três da frente Marco Asensio, Sandro Ramirez e Gerard Deulofeu. Basicamente, esta equipa tem o arsenal para explorar superiormente qualquer sinal de fraqueza nas defensivas contrárias.

E foi assim que os quatro vezes campeões superaram a Itália. La Rojita dominou a posse de bola frente aos Azzurrini mas foi limitada a somente um remate enquadrado na primeira parte, ao passo que permitiu quatro. Mas Roberto Gagliardini cometeu um erro de principiante aos 58 minutos e foi exulos, já depois de Saul ter aberto o marcador.

Federico Bernardeschi ainda igualou em boa hora mas na verdade o jogo já estava a fugir aos italianos. O brilhantismo individual dos espanhóis fez a diferença, assim como a frescura dos titulares e acabaram por deixar a Itália KO, sentenciando o encontro com um contra-ataque para selarem confortavelmente a sua qualificação para a Final de Cracóvia.

A Espanha soma agora 12 golos a partir de somente 58 remates - uma impressionante taxa de 21% de eficácia - com a sua extrema capacidade de finalização a superar o número de golos que poderia ser esperado. Mas se restarem dúvidas sobre esta equipa, é justo reconhecer que existe alguma falta de sistema colectivo, ao contrário das anteriores equipas destes escalões.

As críticas em Espanha sugerem que Celades é apenas um gestor de marionetas tal é a qualidade individual que tem ao seu dispor no caminho para o título, ao contrário de quaisquer méritos tácticos. E La Rojita pareceu desconfortável quando foi muito pressionada por Portugal logo na segunda partida na competição.

A Alemanha 4.2016/5 jogou 120 minutos contra a Inglaterra na Terça-Feira à noite antes de se qualificar com um 4-3 nas penalidades e o treinador Stefan Kuntz deve assegurar-se de que as suas tropas restringem os movimentos dos espanhóis, especialmente nas laterais onde Jonny e Hector Bellerin são encorajados a subir imenso no terreno.

Kuntz fez as suas primeiras mexidas na competição antes do embate com a Inglaterra e as opções estão a escassear para a final. Com Niklas Sule e Matthias Ginter com os seniores e Jonathan Tah lesionado, a ausência de Niklas Stark foi claramente sentida no centro do terreno durante a meia-final.

Gideon Jung entrou para o meio-campo e parece que voltará a ter de surgir no onze uma vez que o avançado Davie Selke - que marcou à Inglaterra - está agora a ser dado como dúvida na Alemanha.

Die Mannschaft superou um forte início dos ingleses para tomar o controlo desse embate mas as dificuldades a defender bolas paradas e uma série de finalizações despropositadas manteve o marcador equilibrado até aos penalties.

A Alemanha está na final pela terceira ocasião mas os vencedores de 2009 não parecem ter as ferramentas necessárias para desmantelar a classe da selecção espanhola. Um meio-campo com Max Meyer, Mahmoud Dahoud e Maximilan Arnold parece mais talhado para ir para a frente e com a defensiva em problemas, é melhor apostarmos contra as tropas de Kuntz.

Os alemães podem ter vencido 16 dos seus últimos 20 duelos neste escalão mas a Espanha chega numa série de 13 partidas sem derrotas 10V-3E-0D e deve ter condições para igualar o recorde de cinco títulos europeus no escalão de sub-21.


Aposta Recomendada:

Espanha para Vencer @ 2.001/1