Euro 2012: Guia das Equipas - Rep. Irlanda

James Mclean chega ao Euro sem ter jogado pela Irlanda na fase de qualificação, no entanto é uma das esperanças da equipa.

A Rep.Irlanda está de regresso às Fases Finais de grandes provas de selecções. Trapattoni foi o "obreiro" de um feito que não se antevia fácil antes do início da fase de qualificação. Conheça por dentro esta formação.

Robbie Keane sempre gostou da responsabilidade inerente à braçadeira de capitão e joga melhor com a camisola nacional do que com a dos clubes pelo que deverá ser um trunfo decisivo para a equipa de Trapattoni.

Caminhada até ao Euro 2012

Se a República da Irlanda não se tivesse qualificado para o Euro 2012, os seus adeptos teriam toda a razão para ficarem desapontados. Não seria um desapontamento comparável ao da mão na bola que prejudicou a sua última tentativa para alcançar um torneio internacional, mas seria digno de nota. O seu grupo para a fase de qualificação seria o sonho de qualquer equipa; no entanto, a derrota em casa contra a Rússia (um jogo em que foi apanhada desprevenida e nunca recuperou) colocou a selecção sob pressão durante toda a campanha. O estoicismo necessário para terminar em segundo lugar do grupo (a dois pontos da Rússia) é louvável e esteve à altura de um empate a 0 em Moscovo, em Setembro passado.
Empatou duas vezes contra a Eslováquia e, em resultados preocupantes, sofreu golos contra Andorra, a Macedónia e a Arménia. A Arménia é uma boa equipa, mas de Giovanni Trapattoni espera-se perfeição em termos defensivos. Apesar de tudo, sete golos sofridos é um resultado impressionante, o mesmo sucedendo com a eliminação da Estónia nos "play-offs". Embora não se destaque pelo brilhantismo, esta é uma equipa a respeitar.

O Treinador

O assombroso outono da carreira de Trapattoni irá prolongar-se muito para além do Euro 2012. Assinou recentemente um novo contrato que o levará até ao final da campanha de classificação para o Mundial de 2014 e o brilho permanece no seu olhar - estamos perante um homem que conquistou enormes sucessos e deseja ainda mais. O seu compromisso com uma selecção não parece, ao contrário do que sucedia com Fabio Capello (por exemplo), uma reforma lucrativa. Apesar disso, o seu historial em termos internacionais não está à altura dos seus êxitos ao nível dos clubes. Conseguiu 20 grandes títulos, incluindo o de campeão da Série A em sete ocasiões; contudo, apenas alcançou os dezasseis-avos do Mundial de 2002 (com a Itália) e não passou da fase de grupos no Euro 2004. Pergunto-me se o ritmo rápido dos grandes torneios se adequa ao seu estilo cerebral. Contem com um futebol defensivo e conferências de imprensa inescrutáveis.

A Estrela

Ainda que a realidade do seu desempenho em vários clubes tenha ficado aquém das aparências e que agora compita no nível menos rarefeito da MLS, as prestações de Robbie Keane durante a fase de classificação justificam a sua escolha como a estrela da República da Irlanda. Marcou sete vezes, seguido de Kevin Doyle e Aiden McGeady na lista de melhores marcadores, com dois golos. Keane sempre gostou da responsabilidade inerente à braçadeira de capitão e joga melhor com a camisola nacional do que com a dos clubes onde esteve e onde, por vezes, outras estrelas se impõem. Os seus 53 golos com a selecção são indiscutíveis e, pessoalmente, espero vê-lo marcar ainda mais no Euro 2012. Inamovível no mercado de melhor marcador da República da Irlanda, embora o seu preço venha a reflectir esse estatuto.

A Muralha

Shay Given e Joe Hart poderão encontrar-se em extremos opostos da sua carreira, mas o jogador do Aston Villa é tão importante para a República da Irlanda como o homem que o substituiu no Man City é para a Inglaterra. O brilhantismo de Given garantiu a manutenção do Villa e a sua defesa no último minuto contra o West Brom foi uma das mais importantes da história do clube. Tem de fazer um bom torneio para que a equipa de Trap tenha hipóteses de avançar. O elemento mais velho da selecção é também o mais importante.

O Jovem

Apesar de toda a minha criatividade na escolha de um jovem jogador de cada equipa a seguir durante o torneio, um homem que não jogou em nenhuma das partidas de qualificação para o Euro parece ter reservado um papel importante na competição; e uma subida rápida para as luzes da ribalta garantiu a sua fama em todo o país. James McClean demorou a demonstrar o seu talento. Com 23 anos de idade (embora pareça mais novo), a sua carreira é prometedora. Por esta altura no ano passado, estava a jogar no Derry City da primeira divisão da League of Ireland, mas a marcação de seis golos em 23 jogos da Premier League é um resultado assombroso. McClean é um jogador com força e pontaria certeira. Se Keane desapontar, McClean é uma alternativa viável para o melhor marcador da República da Irlanda.

Aposta para o Torneio

A República da Irlanda rompe com as previsões ao qualificar-se no grupo C a 5.69/2.

Apesar da qualidade da Espanha e Itália, este é um preço alto e, ainda que seja possível que a Irlanda desaponte, o esforço e o talento táctico podem fazer a diferença num Europeu. Enfrentou a Espanha pela última vez no Mundial de 2002, onde empatou a 1, mas o seu historial recente contra a Itália e a Croácia é bom, e essa formação oferece-lhe uma hipótese de avanço. Empatou a 0 com a Croácia num amigável de 2011 e, no mesmo ano, venceu a Itália por 2-0 em Liège. Apostar 19.5 a favor da sua vitória no grupo é um acto de fé, mas o preço da qualificação é demasiado alto e não posso deixar de apostar a favor.