Apostas Grande Prémio do Brasil: Que drama pode o histórico Interlagos trazer?

Lewis Hamilton será perdoado por não estar a 100% esta semana

O título está sentenciado, mas ainda há muito pelo que lutar, e James Gray está satisfeito por regressar ao Brasil...

"Hamilton pode vencer corridas quase de olhos fechados e tem um belo registo aqui no Brasil."

O futuro do Grande Prémio brasileiro parece constantemente ensombrado, com a última renovação de contrato a durar somente até 2022 e as ameaças habituais sobre o seu desaparecimento do calendário a persistirem.

Se a F1 saísse do Brasil, se iria uma saída universalmente lamentada, não apenas pela pista de Interlagos normalmente proporcionar uma corrida fascinante, mas também porque o país tem uma grande riqueza de história na modalidade. O Brasil é o país de Ayrton Senna e Nelson Piquet, de Rubens Barichello e Felipe Massa, e actualmente representa o único evento de F1 disputado no continente sul-americano.

Mesmo que o Brasil retenha a corrida para além do actual contrato, o negócio com o circuito de Interlagos em São Paulo expira após a próxima época e a intenção é movê-lo para um novo certame. Uma vez mais, seria uma grande tragédia abandonar a pista entre os lagos, e o seu nome significa literalmente isso, mas talvez possamos aguentar com a simples ideia de pelo menos manter a F1 no Brasil.

A ressaca de Hamilton


Poderias desculpar Lewis Hamilton se ele tivesse aparecido em Interlagos a vestir enormes óculos de sol, com um cappucino na mão e um pacote de paracetamol. Afinal de contas, ele finalmente selou o seu sexto título mundial há duas semanas e foi perfeitamente visível que ele avançou para uma festa e consequente ressaca.

No entanto, por vezes parece que Hamilton pode vencer corridas quase de olhos fechados e poucos duvidam do quanto ele iria desfrutar de fazer jus ao favoritismo de 2.506/4 para vencer nova corrida no Brasil.

"Sempre que aqui estou, eu sinto a sua (de Senna) presença," disse Hamilton esta semana, que irá colocar um capacete especial para prestar tributo ao tricampeão mundial que faleceu durante o Grande Prémio de San Marino há 25 anos.

Hamilton tem um bom registo na pista do velho Senna; ele selou dramaticamente o título de 2008 aqui, superando Massa na última centena de metros numa medida pela qual os adeptos brasileiros já o terão perdoado, e só por uma vez nos últimos cinco anos falhou terminar num dos dois primeiros lugares do pódio.

Quem sairá favorecido com a pista?


Interlagos é uma pista sem igual, com uma rota definida pela água que a circunda e uma volta rápida que é decidida por uma longa recta da meta.

Este tem sido um terreno de caça para a Mercedes, com quatro vitórias em cinco tentativas e três dobradinhas por lá. No entanto, isso foi regularmente assente no seu domínio de motor que foi quebrado pela impressionante, mas errática, Ferrari durante o ano.

Isto aponta uma ameaça do Cavalo Rampante, no entanto a sua falta de fiabilidade prejudica-os: Charles Leclerc irá começar muito atrás na grelha devido a uma penalização por mudança de motor, que deitou óleo no Texas.

Quanto à Red Bull, Max Verstappen disse-nos há duas semanas que nenhuma das pistas na fase final de época iria assentar ao seu carro.

Mas ele prontamente terminou no terceiro lugar no Texas e manteve a Mercedes no horizonte até ao fim, reforçando a ideia de que deveríamos levar um quilo de sal para cada conferência de imprensa na F1. Perante isso, a lógica dita que a Red Bull, apesar de todas as melhorias esta época, não será muito rápida no Brasil.

Com toda a probabilidade, A Ferrari irá desfrutar das poucas curvas apertadas - oficialmente temos 15 mas pelo menos três delas são muito pouco pronunciadas - e novamente será uma questão de poderem ou não manter-se sólidos no dia de corrida. O seu preço antes dos treinos livres de 4.507/2 sugere que muitos duvidam que o consigam.

redbull_gpbrasil.jpg

Fãs de chuva não devem ser ouvidos


Verstappen está a 3.505/2 para vencer mas ele irá praticar a sua dança da chuva no sábado à noite com as boas memórias da sua brilhante condução no molhado Brasil em 2016 e esse preço pode encurtar se ele for ouvido pelos céus.

Foi essa exibição que verdadeiramente colocou o nome de Verstappen no mapa como um piloto de enorme talento que um dia irá vencer um título mundial, e embora ainda estejamos à espera de esse evento em particular, as suas qualidades na chuva continuam sem ter paralelo.

Muitos mais atrás na grelha de partida, onde lugares no Mundial de Construtores continuam em jogo, estarão na esperança do que o caos de uma corrida em dia de chuva possa trazer: Racing Point e Toro Rosso estão separadas por apenas um ponto na batalha pelo quinto lugar enquanto a McLaren pode acreditar que a sua liderança de 39 pontos sobre a equipa Renault pode ainda não ser suficiente para se aguentar no quarto lugar.

Infelizmente, as previsões meteorológicas indicam bom tempo para Domingo e quem espera as épicas corridas de 2008, 2012 ou 2016 tera de confiar mais nos pilotos do que propriamente na chuva.

"Se gostou de nosso artigo, compartilhe em suas redes sociais"