Apostas ATP Paris Masters: Shapovalov é interessante opção 'long-shot'

Novak Djokovic precisa de uma boa prestação em Paris para segurar o seu nº1 mundial...

O Paris Masters desta semana assinala o final da temporada, e com uma série de jogadores ainda na luta pela qualificação para a Tour Finals, Dan Weston analisa a situação...

"O jovem canadiano, Shapovalov, parece uma opção mais interessante. Podemos perdoar-lhe a derrota na primeira ronda em Viena há uma semana tendo em conta que aconteceu imediatamente a seguir ao evento indoor em Estocolmo, e é evidente que ele está numa curva de carreira ascendente - particularmente em condições mais rápidas onde tende a portar-se bem."

Ainda se luta por um lugar na Tour Finals


Com o circuito ATP a chegar ao fim, ainda existe muito pelo que lutar no Paris Masters, com diversos jogadores ainda em condições teóricas de garantirem os dois lugares em disputa no prestigioso evento de fim de época ATP Tour Finals. Alexander Zverev e Matteo Berrettini estão actualmente na posse dos dois últimos lugares, mas têm uma vantagem curta sobre outros como Roberto Bautista-Agut e Gael Monfils antes do torneio desta semana.

Temos tido algumas surpresas em Paris nos últimos anos, com Karen Khachanov (2018) e JackSock (2017) a serem os últimos dois vencedores, enquanto recentes finalista incluíram John Isner e outra surpresa Filip Krajinovic. Voltando atrás no tempo, eu consigo lembrar-me do muito respeitado (na altura) Jerzy Janowicz chegar à Final em 2012, quando ele foi batido por David Ferrer, portanto parece razoável considerar que a motivação nos jogadores de tipo pode não estar propriamente elevada se eles já tiverem a sua qualificação para o Tour Finals selado.

Djokovic com melhor registo em Paris dos tenistas de elite


Um homem sobre o qual este dúvida não pode ser colocada e, no entanto, Novak Djokovic. O nº1 mundial foi imperial aqui desde 2013 até 2015 em Paris, vencendo três eventos consecutivos, embora tenha sofrido mais nos últimos anos, apenas atingindo a final no ano passado quando perdeu surpreendentemente para Khachanov. No entanto, o seu registo aqui na década é marcadamente melhor do que Roger Federer (um título, sem mais finais) e Rafa Nadal, que não atinge a final desde 2007 no torneio de piso duro indoor na capital francesa.

Djokovic, actual líder do mercado a 2.982/1, vai precisar de uma boa exibição aqui se quiser continuar a figurar no topo da árvore no final da época. Ele está actualmente 1280 pontos atrás de Rafa Nadal na Corrida para Londres, portanto os 1000 pontos disponíveis para o vencedor serão muito bem-vindos para a sua tentativa de ainda ser número um após os Tour Finals na O2 daqui a duas semanas.

Rápidas condições devem favorecer servidores


As condições em Paris tendem a estar do lado mais veloz da média das superfícies indoor em piso duro. Temos tido 0.63 ases por jogo ao longo dos últimos três eventos, e 65.6% dos pontos ganhos no serviço - ambos acima da média de piso duro indoor no circuito ATP. Em teoria, isto deve oferecer uma pequena vantagem aos grandes servidores, e talvez isso tenha sido evidente nas finais surpresa nos últimos anos - Khachanov, Sock, Isner e Janowicz todos eles a preencherem esse requisito do serviço.

Isto também deve impedir as hipóteses de Nadal a 6.205/1, que prefere que as condições sejam o mais lentas possíveis, e em qualquer caso, ele não tem competido no circuito desde a Final do US Open no início de Setembro. Com Djokovic a parecer claramente o alvo a abater na metade superior do quadro e Nadal na metade inferior, parece lógico tentar encontrar um jogador na metade inferior que possa ser uma interessante opção em each-way ou para Cash Out no mercado para Vencedor.

Para mim, Federer parece uma melhor opção do que Nadal a 6.4011/2 no mercado tendo em conta que se dá melhor em condições rápidas de jogo. A minha preocupação será apostar nele após ter vencido o título em Basileia no Domingo e o seu desejo genérico de não jogar em demasia - não me chocaria se ele abdicasse de participar no torneio para se manter fresco para as Tour Finals.

Tenistas a ter em conta na metade inferior


Então - quem pode aborrecer o cartel de favoritos na metade inferior? Estatisticamente, Stan Wawrika (109% de dados combinados de serviço/resposta em piso indoor este ano), Jo-Wilfried Tsonga (108%), Andrey Rublev (107%) e Denis Shapovalov (105%) lideram a lista de potenciais candidatos mas, destes, apenas Wawrinka é um dos 16 cabeças-de-série que estará isento na primeira ronda, portanto os restantes três irão necessitar de vencer seis partidas, ao contrário dos cinco dos 16 pré-designados.

Isto dá um considerável ascendente a Wawrinka em relação aos outros, mas há preocupações com a sua condição física depois de ter desistido nos quartos de final da Basileia contra Federer na sexta-feira por uma lesão nas costas. Por isso, ele não pode ser tido em conta neste mercado.

Shapovalov com decente ascendente em progressão


Rublev enfrenta Tsonga na primeira ronda naquele que tende a ser um encontro muito renhido, portanto o jovem canadiano, Shapovalov, parece uma opção mais interessante. Podemos perdoar-lhe a derrota na primeira ronda em Viena há uma semana tendo em conta que aconteceu imediatamente a seguir ao evento indoor em Estocolmo, e é evidente que ele está numa curva de carreira ascendente - particularmente em condições mais rápidas onde tende a portar-se bem.

Enquanto um verdadeiro 'long-shot', os 67.0066/1 disponíveis em Desportos por Shapovalov parecem ser a melhor opção each-way com uma aposta de baixo valor na metade inferior do quadro esta semana.

"Se gostou de nosso artigo, compartilhe em suas redes sociais"