Apostas Masters de Monte Carlo: Cilic com a melhor hipótese de rivalizar com Nadal

Marin Cilic tem excelentes dados estatísticos em terra batida
Ver mercado

O Monte Carlo Masters é o primeiro evento ATP Masters do calendário anual disputado em terra batida. O nosso colunista de ténis, Dan Weston, avalia este torneio como um dos seus favoritos, e regressa com a previsão dos mercados para vencedor...

"Cilic tem sido forte nesta superfície nos últimos 12 meses, vencendo 85.3% dos serviços e quebrando os adversários em 31.8% das ocasiões (combinado de 117.2%) tornando as suas estatísticas nas melhores à disposição, à excepção de Nadal."

Lentas condições de jogo esperadas no primeiro Masters de 2018 em terra batida


O brilho e glamour de Monte Carlo será palco da acção do circuito ATP esta semana, com um total de prémios de quase €5m como interessante recompensa para os jogadores suficientemente capazes de atingir o quadro principal.

Historicamente, as condições no Monte Carlo Country Club são muito lentas, com somente 72.5% dos jogos de serviço a serem assegurados ao longo dos últimos três anos, num número 4.7% abaixo da média ATP de 77.2% em terra batida. Como muitos podem esperar disto, os grandes servidores não gostam de todo destas condições bem diferentes do que testemunharam na semana passada na bem mais rápida terra batida de Houston, e em Monte Carlo nesta fase do ano, somente 0.30 ases por jogo são obtidos, abaixo dos 0.38 da média ATP nesta superfície.

Nadal com odds abaixo de [2.00] para vencer o torneio


Com base nos dados apresentados, esperam-se muitas quebras de serviço e recuperações nas partidas, enquanto os jogadores orientados para a resposta devem ter melhores hipóteses de triunfar, e em particular, o 'King of Clay', Rafa Nadal. O espanhol venceu aqui oito anos consecutivos entre 2005 e 2012, e também saiu vitorioso em 2016 e 2017 após quatro anos de interregno. Nos três anos em que não venceu, Novak Djokovic conquistou o título duas vezes.

Rafa é mesmo o favorito para celebrar no próximo Domingo, com o mercado Intercâmbio a avaliá-lo a somente [1.64] para obter a glória, e ele é um dos oito jogadores isentos da primeira ronda e provavelmente só iniciará a sua campanha na Terça, ou mais provavelmente na Quarta-Feira.

Com Nadal tão dominante como favorito - tendo em conta os seus espantosos dados em terra batida, no entanto ele não tem estado bem fisicamente este ano na sequência da sua retirada nos quartos de final do Open da Austrália - nenhum outro jogador está abaixo das dezenas para o título, o que nos dá alguma margem para trading e igualmente valor each-way.

Difícil sorteio para talentoso Thiem


É importante levar Dominic Thiem em conta. O austríaco deverá desfrutar destas lentas condições de jogo na sua superfície favorita, e tem um excelente registo de 23-6 no pó-de-tijolo nos últimos 12 meses, com 83.9% dos serviços assegurados e 31.1% de quebras de serviço dos adversários (combinado de 115.0%) - dados que são de classe mundial. Infelizmente para Thiem, ele foi sorteado na metade superior do quadro onde está Nadal - assim como um Djokovic que não é cabeça-de-série, cujo potencial é impossível de avaliar neste momento - e deverá ter una quartos de final bem problemáticos.

Dados estatísticos indicam o jovem Zverev como sobre-valorizado em terra batida


Tendo isto em conta, talvez seja importante avaliar opções na metade inferior do quadro como hipóteses mais viáveis. Os cabeças-de-série com lugar na segunda ronda neste segmento são Lucas Pouille, Alexander Zverev, Pablo Carreno-Busta e Marin Cilic, enquanto jogadores com possibilidades nesta metade inferior incluem Richard Gasquet, Diego Schwartzman, Fabio Fognini, Kyle Edmund e Kei Nishikori que bateu Tomas Berdych logo na primeira ronda.

O mais novo dos irmãos Zverev, a [10.50], é o segundo favorito do mercado, mas não tem grandes registos em terra batida (combinado de apenas 108.9% nos últimos 12 meses), e o seu registo de 16-4 em terra batida neste período indica que ele venceu imensos jogos à justa, e muitas vezes é esse o seu caso. Ele também recebeu uma lição de Nadal na Taça Davis recentemente. Talvez possam existir algumas hipóteses de handicap para ir contra o jovem germânico em partidas durante a época de terra batida.

Cilic pode ser ameaça a partir da metade inferior do quadro


Carreno-Busta tem sido inconsistente este ano, enquanto os dados de Pouille em terra batida nos últimos 12 meses são sólidos mas não espectaculares (108.6%), portanto a escolha óbvia neste segmento do quadro parece ser Cilic.

Cilic tem sido forte nesta superfície nos últimos 12 meses, vencendo 85.3% dos serviços e quebrando os adversários em 31.8% das ocasiões (combinado de 117.2%) tornando as suas estatísticas nas melhores à disposição, com a excepção de Nadal. Ele não tem estado claramente no seu melhor desde a derrota para Roger Federer em cinco sets na Final do Open da Austrália, mas perdeu apenas oito jogos contra o Cazaquistão em seis sets disputados na Taça Davis há pouco mais de uma semana em terra batida e está bem descansado antes de chegar a este evento.

Ele estará isento na primeira ronda e depois enfrenta Pablo Cuevas ou Fernando Verdasco - ambos inconsistentes por estes dias - antes de uma potencial terceira ronda com Milos Raonic, outro jogador cujo nível em terra batida é difícil de julgar actualmente. Sim, isto parece algo complicado, mas num sorteio com apenas 56 participantes, não costumam ocorrer sorteios favoráveis, e os jogadores precisam jogar bem se quiserem ir até às fases mais avançadas da prova.


APOSTA RECOMENDADA:
Marin Cilic para vencer Monte Carlo @ [17.00] para Cash Out

Ver mercado