Apostas Ténis: Conseguirá Rafa Nadal voltar ao topo mundial em 2013?

Espera-se uma temporada ascendente de Rafael Nadal.

A 28 de Junho, Nadal disputava o seu último jogo de 2012 em Wimbledon. Depois de alguns meses complicados a recuperar da lesão no joelho esquerdo, o tenista prepara-se para voltar em força em 2013.

"Os primeiros meses da temporada serão decisivos na preparação de Rafa para o objectivo principal: Revalidar o título de Roland Garros."

No início do ano estará em Abu Dhabi e no Qatar, tal como aconteceu em 2012, torneios onde irá preparar o primeiro grande torneio do ano, o Open Austrália 2013.

Normalmente, o seu tio e treinador Toni Nadal juntava-se ao "staff" de Rafa na grande cidade australiana, mas na edição de 2013, depois de ter conhecimento dos problemas por que passou o seu sobrinho, estará ao seu lado desde o início da temporada.

E é um facto de que existem muitas dúvidas sobre se Nadal, o actual número 4 mundial, poderá voltar a ser o jogador que foi antes da lesão que sofreu no joelho. Desde o início que os mais críticos do desempenho do tenista espanhol achavam que o seu físico iria obriga-lo a sair dos primeiros lugares do ranking. A verdade é que Nadal confia muito mais no seu físico do que outros jogadores como, por exemplo, Roger Federer, mas daí a dizer, como foi dito, que Nadal apenas venceu pela sua excelente condição física, é falso. Estamos a falar de um jogador que tem muitas mais virtudes que o tornaram durante um largo período de tempo no melhor jogador do mundo, e no auge dos seus 26 anos, caso o joelho lhe permita, ainda tem tempo de sobra para recuperar o seu nível.

O problema de Nadal é que, mesmo a recuperar para o seu melhor estado físico, os seus rivais cresceram significativamente e nos dias de hoje, tanto Djokovic como Murray são campeões do Grand Slam, dois jogadores muito completos, capazes de produzir um nível de ténis inalcançável para a maior parte os participantes no circuito ATP.

E claro que não poderíamos esquecer o grande Federer, que ano após ano nos surpreende e continua a aumentar a sua lista de grandes prémios no circuito, isto apesar de já ter 31 anos de idade. Além disso, existem outros nomes que não podem ser comparados com os 4 melhores, mas que num bom jogo podem complicar a vida inclusive a algum dos quatro melhores. Estou a falar de nomes como Berdych, Del Potro, Tsonga ou David Ferrer.

As notícias disponíveis em relação à recuperação física de Nadal são muito positivas, o jogador tem treinado muito e parece que os problemas no joelho desapareceram. O seu carácter inato de vencedor dá-lhe uma enorme vontade de voltar a competir e é o que mais deseja que isso aconteça o mais rapidamente possível.

Apesar do seu triunfo em Roland Garros 2012, a decepção por ter sido eliminado rapidamente em Wimbledon, assim como ter que renunciar a ser o jogador representante de Espanha nos jogos olímpicos e ainda a ausência no US Open, fazem-no querer esquecer este ano o mais rápido possível. Na minha opinião Nadal certamente irá recuperar o seu nível brilhante, ainda que irá demorar um certo tempo.

Num desporto que exige tanto de um jogador como o ténis não é suficiente estar bem fisicamente, mas é preciso também algo muito importante como ter confiança e ritmo de competição. Isto apenas é possível ao participar em jogos e ir pouco a pouco, não se indo a baixo se o jogo ao princípio não começa como este esperava.

Assim, creio que seria muito estranho ver Nadal a ganhar na Austrália, uma vez que o primeiro Grand Slam do ano começa muito em breve, dia 14 de Janeiro. A verdadeira medida da recuperação de Nadal será vista a partir de Abril, no campo de terra batida e com a sua raquete com três meses de competição em cima. As casas de apostas pensam da mesma forma que eu, e continuam a colocar o espanhol como o principal favorito a vencer o Roland Garros em 2013 com uma quota de 2.1411/10.
Eu também confio que nessa altura será o próprio Nadal a levar para casa o troféu que já conquistou em Paris em 7 distintas ocasiões.

Outra coisa diferente serão os torneios em piso duro, onde os nomes que citei no parágrafo anterior são jogadores fortíssimos, e se Djokovic, Murray ou Federer estiverem em forma as hipóteses de Nadal nesse tipo de piso são mais reduzidas, por muito bem que o espanhol recupere o seu nível.