ATP Tour: Cinco factores a ter em conta no começo da época de piso duro

Pode Djokovic conquistar o Sunshine Double?
Ver mercado

Antes do começo de Indian Wells na próxima segunda-feira, Charles Perrin dá uma olhada no que podemos esperar do abrir de hostilidades em piso duro esta época...

"O sérvio iniciará a sua demanda por um quinto Sunshine Double que seria inédito e no Miami Open, tal como em Indian Wells, ele já foi corado campeão por três vezes nos últimos cinco anos."

Conhecida como 'Sunshine Double', o Masters de Indian Wells e o Miami Open são os dois torneios mais prestigiados do calendário masculino excluindo os Grand Slams.

Após os seus esforços no Open da Austrália em Janeiro onde ergueu o seu terceiro título de Major consecutivamente, Novak Djokovic será favorito em ambos os eventos e será preciso algo especial para o travarem.

Teremos vários episódios fascinantes envolvendo os protagonistas principais incluindo Roger Federer e Rafa Nadal, mas quem irá conseguir a supremacia face à concorrência?

Lar Doce Lar

miami_open_hardrockstadium.jpg

Teremos um novo local a acolher o Miami Open, mas os sentimentalistas do ténis verterão uma lágrima.

Anteriormente, o torneio aconteceu em Crandon Park durante 32 anos mas, como já não estava apto para o evento, este ano a competição moveu-se para o Hard Rock Stadium (na imagem) com capacidade para 65.000 espectadores, que é a casa da equipa da NFL, os Miami Dolphins.

O novo local é enorme com 30 courts, incluindo 18 de treino. O court principal Grandstand Stadium acolherá 14.000 espectadores, no entanto continua por apurar se o Hard Rock terá a atmosfera intensa que Crandon Park costumava gerar.

Mais de 300.000 fãs visitaram o torneio no ano passado e os organizadores estão à espera de algo similar na venda de bilhetes. Será interessante verificar a velocidade dos courts, com as críticas do passado em Crandon Park a focarem-se na elevada humidade que contribuía para condições de jogo mais lentas.

Sunshine Double para Novak?


Completar o Sunshine Double não é nada fácil de alcançar, com apenas sete jogadores a consegui-lo. Djokovic parece revitalizado e chega após um triunfo sobre Rafa Nadal no Open da Austrália em Janeiro, e tentará adicionar mais uns títulos ao seu histórico de carreira em Masters (32).

O sérvio iniciará a sua demanda por um quinto Sunshine Double que seria inédito e no Miami Open, tal como em Indian Wells, ele já foi corado campeão por três vezes nos últimos cinco anos.

Um dos melhores jogadores de sempre a manusear uma raqueta de ténis, Djokovic atingiu novos patamares e parece numa força indomável, mas Federer estará apostado em travar Djokovic.

Depois da sua série de 17 vitórias consecutivas ter sido travada na Final de Indian Wells do ano passado contra Juan Martin Del Potro, a lenda helvética estará desesperada por estragar a festa e atingir um recorde de seis títulos neste torneio.

Isner em busca de rampa de lançamento

isner_miami_ball.jpg

O ano passado foi um momento de transição para John Isner após alcançar o seu primeiro título de Masters em Miami. No entanto, uma vez mais, Isner entrou na nova temporada de modo muito pouco auspicioso.

Apesar de ter aparecido em duas semifinais em 2019, elas foram acompanhadas de duas eliminações precoces com ele a ser vítima de derrotas consecutivas na primeira ronda com Taylor Fritz e Reilly Opelka em Auckland e no Open da Austrália, respectivamente.

Isner tem jogo para ir longe na maior parte dos torneios e talvez retire alguma inspiração da sua prestação em Miami no ano passado. Enquanto a sua fortuna tem flutuado no passado, Miami pode ser a sua rampa de lançamento para outra campanha de sucesso em 2019.

Nunca desvalorizes Nadal


Nadal tem tido um considerável número de problemas físicos nos últimos seis meses e tal. A sua época foi encurtada na época passada por um problema no joelho e a sua preparação para o Open de Acapulco este ano foi ignorada.

O espanhol não vence em Indian Wells desde 2013 e o Miami Open continua a fugir-lhe após ser finalista vencido em quatro anteriores ocasiões.

A derrota na final do Open da Austrália para Djokovic expôs algumas das suas carência no momento, mas ele não pode ser afastado do leque de candidatos.

Alexander Zverev continua a ser uma dos grandes enigmas da modalidade. Ele sente-se confortável em torneios Masters 1000 e até já coleccionou três títulos a este nível.

Mas o germânico tem sido incapaz de transportar isso para os Grand Slams onde ainda não foi além dos quartos de final em qualquer dos Majors.

Enquanto Zverev tem óptimas pancadas do fundo do court e muita variância no seu serviço, os seus volleys são uma área onde ainda precisa de melhorar.

Finalmente, muita coisa dependerá do sorteio, mas um bom par de semanas na Califórnia e Miami irão dar confiança antes da temporada de terra batida e poderá dar gás para uma séria caminhada no Open de França.

Redação,